Histórias de Sucesso de Empreendimentos ProLíder

     Dentro do ProLíder, os participantes devem construir ou trazer uma iniciativa que busca resolver um problema que eles identificaram que o mundo apresenta. Dessa forma, já surgiram ou passaram pelo ProLíder iniciativas que atuam em diferentes setores, mas todas elas procurando aumentar o desenvolvimento e resolver problemas complexos da vida das pessoas. Abaixo estão as iniciativas públicas e os empreendimentos que passaram pelo ProLíder:

AgroKatu

2019

Saiba mais!

O Agro Katu é uma linha de produtos voltada a pequenos agricultores e à agricultura familiar que busca reduzir o desperdício de água na agricultura.Atualmente, dois produtos integram essa linha: uma tecnologia de captação de água da chuva a baixo custo, acoplada de forma inteligente a um sistema de irrigação por gotejamento; e uma tecnologia de hidroponia para agricultura eficiente em lugares de estresse hídrico.Além de reaproveitar resíduos da indústria de alimentos em nossos produtos e ser, em média, 40% mais barato que produtos concorrentes, o modelo de negócio 5-por-1 da Agro Katu permite doar um sistema a uma família de baixa renda para cada cinco sistemas vendidos.Fundado em 2019 com o apoio da Enactus UFPA, o Agro Katu é um braço do Amana Katu, negócio social reconhecido como um dos jovens empreendimentos mais inovadores do mundo no reaproveitamento de água. A iniciativa já recebeu mais de 20 premiações nacionais e globais, com destaque para prêmios recebidos no Vale do Silício (EUA) e nas competições mundiais World Water Race e Ford Mobility Innovation Challenge, competições mundiais que unem empreendedorismo e sustentabilidade.O Agro Katu, dentro do ProLíder, foi capitaneado por Noel Orlet, participante 2019.

Alma

2020

Saiba mais!

A Alma tem o objetivo de ver o que não é visto para melhorar a experiência dos pacientes.Ela é uma empresa que busca desenvolver tecnologias para a saúde e trazer mais qualidade de vida para as pessoas. Através de uma solução que permite a visualização de veias por uma tela, ela busca facilitar a punção venosa durante procedimentos de exame de sangue ou outros semelhantes.No Brasil, aproximadamente 3,5 milhões de punções venosas acontecem diariamente, e 50% delas sofrem erro na sua primeira tentativa, apresentando um desconforto muito grande para as pessoas que fazem alguns tipos de tratamento médico e que necessitam da realização de punções recorrentes.A solução foi desenvolvida depois de alguns anos de pesquisa, com o objetivo de criar um hardware que conseguisse facilitar essa visualização. Ele apresenta resultados consideráveis, trazendo um aumento de até 70% na visualização da rede venosa. Foram realizados testes com pacientes oncológicos e com assistência de cientista qualificado.A solução é composta por um acessório e um dispositivo móvel. Enquanto o acessório capta o sinal das veias não vistas a olho nu, um aplicativo embarcado no dispositivo móvel as destaca e demonstra as veias sobrepostas em uma imagem em tempo real, como um raio-x de veias.A Alma pretende, muito em breve, estar atuando não só no Brasil, mas também fora daqui. É um empreendimento que surgiu para solucionar uma dor latente de algumas pessoas e que nasceu através de pesquisas acadêmicas. Também foram vencedoras de várias premiações e editais de pesquisa.O empreendimento foi criado por Márcia Santos, da turma do ProLíder de 2020, juntamente com suas duas sócias, Jaqueline e Carolina. Quando entrou no ProLíder, Márcia passou a contar na sua equipe com a participação de Ricado Sabedra, também participante da turma do programa.

Atmos

2020

Saiba mais!

A Atmos é uma startup de tecnologia que trabalha com gestão de informações e tem o objetivo de conscientizar as pessoas quanto ao uso sustentável dos recursos naturais.Sua solução é possível a partir de um hardware de baixo custo, que é capaz de aferir com precisão todas as grandezas elétricas relevantes para o cliente, inclusive parâmetros de qualidade de energia. Dessa forma, os dados são coletados e são disponibilizadas métricas em tempo real, alarmes customizáveis e boas práticas para melhorar o consumo de energia e a gestão energética de organizações.O setor de energia brasileiro vem passando por uma transição na forma que se consome, se transmite e se gera energia elétrica. E em busca de atuar em um processo também de conscientização, a Atmos atua com foco em pequenas e médias empresas, que apresentam um enorme potencial de economia de energia, com aproximadamente 20%.Os dados foram testados também em residências, comprovando uma economia média de aproximadamente 16% e comprovando também e eficácia da Atmos e sua solução.A implementação da solução já foi validada, com testes feitos em um hotel de Brasília, onde foram contratados para atender uma demanda pré-existente. Atuaram com o monitoramento do consumo em toda a estrutura do hotel, que conta com sistemas de ar condicionado, elevadores e câmaras frias.Inicialmente a Atmos prentende atuar dentro de Brasília, fazendo a diferença localmente, onde existem várias instalações prediais púlbicas, trazendo eficiência e desenvolvimento sustentável para os negócios e para a sociedade.A Atmos nasceu em 2016 com Luiz Filipe Guerra (Participante do ProLíder de 2020) e Gabriel Duarte, seu sócio. A Atmos participou do processo de aceleração de startups da Cotidiano, aceleradora de Startups, durante o ano de 2020.

Aya

2020

Saiba mais!

A Aya é uma healthtech, que tem o objetivo de democratizar o bem estar mental a todas as esferas da sociedade brasileira através do serviço de psicologia.Aproveitando a ascenção do mercado, o crescimento exponencial e a alta procura por serviços de saúde mental, de forma digital e online.Eles atuam em duas frentes principais: Atendimento psicológico, personalizado e individual, oferencendo um ambiente de acolhimento, facilidade e liberdade para trabalhar sua saúde mental. E também fornecem soluções para bem estar de colaboradores, realizando trabalhos dentro de organizações através de video conferências.Os diferenciais da Aya são o acolhimento e direcionamento, que acontece de forma personalizada, a capacitação prévia pela qual passam os psicólogos que prestarão serviços pela plataforma, uma metodologia própria de atendimento e uma assistente virtual.A sua visão é de ser o maior canal online de acolhimento e beml estar mental do Brasil, construindo um paralelo entre a valorização da saúde mental de toas as esferas socioeconômicas e a democratização da psicologia no Brasil.A Se Acalme foi criada por Douglas Vidal, participante do ProLíder 2020 e psicólogo, junto com o seu sócio Pedro que também é formado em psicologia.

BeSafe

2021

Saiba mais!


BESAFE SAÚDE

A beSafe foi criada por médicos e desenvolvedores apaixonados por saúde e educação, a partir de projetos sociais universitários de capacitação em saúde voltados a comunidades fragilizadas no Rio de Janeiro. Movidos pela paixão de cuidar das pessoas, o time da beSafe decidiu expandir a missão de levar soluções em saúde para todo o país e salvar milhares de vidas.

beSafe Saúde - Educação e tecnologia em primeiros socorros que salvam vidas

A beSafe quer ser a melhor amiga das escolas quando o assunto é saúde. Como primeira gestora de saúde escolar do Brasil, o ecossistema de soluções oferecidas inclui a certificação em primeiros socorros de escolas e centros de recreação infantil (para a Lei Lucas) e uma plataforma de ensino em saúde com disciplinas eletivas para o Novo Ensino Médio, contando com o suporte de um app que alia educação e tecnologia para oferecer funcionalidades como a chamada de ajuda em situações de risco ou emergência. Além disso, a beSafe está desenvolvendo um SaaS (Software as a Service) de gestão de saúde escolar, que centralizará informações de saúde do aluno como vacinas, doenças crônicas, alergias, entre outras, a fim de promover vigilância e monitoramento automatizados, com engajamento e comunicação recorrente com as famílias.


SAÚDE ESCOLAR: A MISSÃO DE TORNAR OS AMBIENTES MAIS SEGUROS


Lucas Begalli, um menino de 10 anos, tinha um futuro brilhante pela frente, até que sua vida foi interrompida por um acidente que poderia ter sido evitado. Em uma excursão escolar, ele se engasgou com um alimento e, infelizmente, não sobreviveu. Nenhum dos professores que acompanhavam os alunos no passeio sabia manejar técnicas de primeiros socorros.

Este trágico incidente gerou mobilização da sociedade civil e, em 2019, foi promulgada a Lei Lucas, vigente em todo o território nacional, que exige capacitação anual em primeiros socorros para ao menos dois terços dos colaboradores de escolas e centros de recreação infantil, com penalidades que podem chegar até a cassação do alvará de funcionamento da instituição.

Além desta lei, as escolas brasileiras recentemente tiveram outra importante mudança em seu cenário pedagógico: o Novo Ensino Médio, que deve ser implementado em todo o país a partir de 2022. Com o novo currículo, 40% da carga horária do Ensino Médio brasileiro deverá ser composta por itinerários formativos, com a oferta de disciplinas eletivas em temas que vão além da formação tradicional.

Diante desse cenário, a beSafe se propõe a ser parceira das escolas e famílias na missão de educar crianças em ambientes seguros, disseminando ferramentas e informações que podem salvar vidas. O ecossistema completo de soluções em saúde e educação da beSafe compreende:

  • Certificação de escolas e centros de recreação infantil para a Lei Lucas, oferecendo capacitação teórica e prática em primeiros socorros a profissionais que lidam com crianças no dia-a-dia;



  • Plataforma de ensino digital com disciplinas eletivas para o Novo Ensino Médio em temas de saúde como primeiros socorros, fisiologia e cuidados gerais com a saúde, educação sexual, uso de drogas, carreiras na área de saúde, entre outros; e
  • App e SaaS (software as a service) de gestão escolar integrados (em desenvolvimento), com prevenção e vigilância em saúde automatizada, oferecendo a famílias e escolas um canal de comunicação e monitoramento da saúde da criança, com a centralização de informações como histórico médico, doenças crônicas, alergias, cartão de vacinação, chamada de ajuda para urgências e emergências etc.

RESULTADOS: SOLUÇÕES VALIDADAS COM ALTA SATISFAÇÃO DOS PARCEIROS


No Brasil, atualmente não há health e/ou edtechs oferecendo capacitação e ensino em saúde de forma holística para a educação básica, aliando inovação e conhecimento médico. Do mesmo modo, os ambientes escolares em geral não possuem sistema de gestão de saúde (ou sequer profissionais capacitados) para administrar cuidados necessários aos alunos, com engajamento e comunicação frequente com as famílias. A partir da experiência colhida nas escolas, informações como uso de medicamentos, alergias, vacinas, entre outras, muitas vezes são negligenciadas ou documentadas de forma desordenada pelos gestores, oferecendo riscos à saúde da criança.

Pioneira nessa missão, a beSafe lançou a certificação em primeiros socorros para a Lei Lucas em julho de 2021 e, até hoje, já treinou mais de 550 profissionais em 19 escolas e centros de recreação infantil do Rio de Janeiro. Entre os parceiros capacitados estão o Colégio Everest Internacional, o Clube de Regatas Vasco da Gama, a Rio International School e creches do grupo Raiz Educação.

https://www.youtube.com/watch?v=KcFwFezb7Jg

Com um NPS (métrica de satisfação do cliente) de 91 pontos, a beSafe coletou o feedback do modelo presencial para aperfeiçoar seu produto digital, o qual possibilitará escalar a capacitação da Lei Lucas para todo o país. Aproveitando do mesmo aprendizado, o produto educacional das eletivas para o novo Ensino Médio foi lançado em novembro de 2021 inteiramente no modelo digital, e já foi contratado por 2 escolas para o ano letivo de 2022. O SaaS de gestão de saúde escolar, por sua vez, segue em desenvolvimento e no futuro será integrado com o app que acaba de ser disponibilizado nas plataformas digitais..



TIME E CULTURA: PROPÓSITO FORTE ALIADO A CAPACIDADE TÉCNICA

Desde 2017, a equipe médica da beSafe realiza projetos sociais de ensino em primeiros socorros, credenciados pela pró-reitoria de extensão universitária da UFRJ. De lá para cá, mais de 8.000 pessoas foram impactadas por suas iniciativas. A energia dessa equipe apaixonada por educação e saúde se transformou em missão de vida. Na beSafe, todos se chamam de “Doc”, afinal, cada beSafer tem em sua função um papel essencial para o propósito maior de salvar vidas.

O fundador e CEO, Dr. Rafael Kader, é doutorando em ciências médicas pela Faculdade de Medicina da UFRJ e participante do ProLíder 2021. Em meados de 2021, Rafael e uma equipe de médicos, desenvolvedores e empreendedores iniciaram a operação da beSafe e em pouco tempo tornaram a healthtech uma referência no seu segmento no país. No ProLíder, Rafael se juntou à Gabriela Cardozo, participante do programa com expertise notável em consultoria estratégica de negócios, e também apaixonada pelo cuidado à saúde. Gabriela chega para refinar o modelo de negócios da organização e encurtar a jornada de sucesso da beSafe. A dupla, com propósitos pessoais alinhados em democratizar o acesso à saúde no Brasil, traz consigo a sinergia vital para tornar ainda mais ambiciosos os objetivos da beSafe.

Espalhando educação e tecnologia que salvam vidas, juntamente com um time que compartilha da vontade de revolucionar a saúde no Brasil, Rafael e Gabriela trazem a beSafe para a banca final do ProLíder na 1ª categoria do evento - empreendimentos com maturidade avançada - mesmo com apenas 6 meses de operação. 


BeUni

2020

Saiba mais!

A BeUni pretende mudar a maneira como a comunidade universitária veste o seu próprio campus através de uma comercialização moderna e prática de produtos universitários.Eles funcionam como um marketplace universitários e buscam ser a maior plataforma de produtos universitário do Brasil, transformando este mercado, através de tecnologia, ao atingir uma escala nacional.O Brasil conta com aproximadamente 8,5 milhões de universitários, público crescente a cada ano. Anualmente, a comercialização de produtos como moletons, camisetas, livros didáticos e equipamentos educativos acontece de forma desestruturada e descentralizada, muitas vezes em um mercado paralelo e informal. A proposta da BeUni é centralizar e estruturar este mercado de forma organizada, trazendo como parceiros as Universidades, Atléticas, Grupos de Estudos, Empresas Juniores, e outros grupos de estudantes.A BeUni se inspirou no que acontece nos Estados Unidos: As unidades americanas se tornam grandes marcas, não só no quesito educação, mas também na produção e fornecimento de materiais, aumentando a valorização das organizações e uma maior identificaçãom com as organizações e com os cursos. Essas universidades americanas, faturam anualmente bilhões de dólares neste mercado.A solução foi desenvolvida pelo Felipe Moreira, participante da turma do ProLíder de 2020. Junto com ele, na BeUni, Felipe conta com um time de mais 4 sócios comprometidos em colocar o negócio como referência nacional.

Darsh

2020

Saiba mais!

A Darsh é uma edtech que busca tornar o aprendizado uma experiência fascinante para os estudantes.Através da criação de ferramentas para simplifcar e tornar o trabalho dos educadores uma experiência ainda mais positiva. Eles auxiliam na transformação da realidade educacional dos alunos.Na educação brasileira, temos um baixo nível de aprendizado dos estudantes, grandes desigualdades e a trajetória escolar irregular. Pra solucionar esses problemas, surgem as soluções tecnológicas da Darsh. Eles possuem um sistema de gestão escolar capaz de integrar pais, alunos e professores, gerando engajamento, maior produtividade e desenvolvimento educacional.A Darsh nasceu na cidade de Imperatriz, no interior do Maranhão. Hoje ela já atende uma rede de municípios, contando com mais de 30 mil alunos cadastrados no estado do Maranhão. Eles pretendem ser referência no uso de tecnologia e dados aplicados à gestão escolar no Brasil com todos instrumentos essenciais para a nova geração da educação, tanto no setor público quanto no privado.Além dessa solução, a Darsh criou o Bobby, uma plataforma de análise de aprendizagem que ajuda as escolas a melhorarem o desempenho dos seus estudantes. Com o Bobby, o aluno realiza testes na plataforma online, que faz as análises baseadas nas suas habilidades, competências e conteúdos. Os resultados do teste são informações específicas de cada estudante, que permite um acompanhamento individualizado e direcionado para os principais pontos de desenvolvimento. Além do mais permite com que as escolas possam fazer análises mais profundas e consistentes do seu modelo de ensino.Rodrigo Alexandrino, participante da turma do ProLíder de 2020 é o criador da Darsh. Ele atua como CEO, e conta com um time de mais 6 pessoas dentro da empresa.

Desenvolve

2021

Saiba mais!

Em tempos de competitividade de mercado tão grande, tem vencido e se mantido (o que é mais importante) quem consegue ter um time consolidado e capacitado. Isso faz toda diferença! Por conta disso, cada dia mais, as empresas têm investido na formação e desenvolvimento dos seus funcionários, obtendo um retorno bastante interessante e deixando seu legado para eles ao proporcionar conhecimento e desenvolvimento profissional. Habilidades como relações interpessoais e vendas, além de capacitação em tecnologia, muitas vezes, não são disponibilizadas em cursos de graduação e técnicos convencionais aplicadas, de forma prática, ao mercado de trabalho, deixando uma brecha para organizações buscarem essas formações em cursos livres ou treinamentos internos, preparando melhor os profissionais para a vida real.Geralmente, as grandes organizações já possuem uma equipe especializada para essas formações práticas ou trabalham com outras empresas que fornecem serviços de treinamento corporativo, sanando esse problema. Mas, e os pequenos e médios empresários? Como eles conseguem resolver esse problema? Seu nível de desenvolvimento não permite uma infraestrutura ideal para oferecer esse tipo de formação, o que faz com que essas empresas menores entrem em um loop difícil de sair.Com um olhar mais voltado para essas empresas que não dispõem dessa infraestrutura, nasce a Desenvolve para oferecer solução a esse problema. Uma organização que nasce para as empresas e para as pessoas que fazem a empresa. Eles buscam trazer uma cultura corporativa e de valorização dos colaboradores por meio da oportunidade de formação.Dessa forma, a Desenvolve atua no desenvolvimento e aprimoramento das pequenas e médias empresas brasileiras, preparando-as para o crescer e oferecer seus produtos e serviços de forma mais competente para um número maior de pessoas. Seus treinamentos têm como objetivo explorar, ao máximo, o potencial de cada um dos colaboradores, organizando e trazendo clareza para os processos que, muitas vezes, não estão muito claros em empresas menores.Eles funcionam como uma escola, que desenvolve funcionários e líderes das médias empresas por meio de programas e cursos, com uso de metodologias dinâmicas, próximas e ativas. E COMO COMEÇAR A DESENVOLVER?A necessidade de desenvolver habilidades de vendas entre seus colaboradores, em algumas médias empresas, foi o combustível para elaborar o MVP da Desenvolve e, para resolver essa questão, foi criado o Programa Colaborador do Futuro: Princípios de Vendas e Cultura Corporativa. Esse MVP foi oferecido para 5 empresas, com uma faixa etária maior, entre 22 e 29 anos e, na sua maioria, apenas com o ensino médio completo.A Desenvolve enxerga no mundo digital a possibilidade de escalar os seus serviços, conseguindo sempre oferecer algo personalizado para a realidade de cada uma das suas empresas clientes. Eles entenderam que o meio digital permite um custo menor e a replicação dos produtos de maneira escalável. Dessa forma, eles conseguem entrar no mercado com um ticket médio menor do que os seus concorrentes. O objetivo é começar com a venda B2B, mas, a longo prazo, expandir a rede e a marca para oferecer também treinamentos a pessoas individuais, entrando no mercado B2C.QUEM ESTÁ DESENVOLVENDO JUNTO COM A GENTE?O time da Desenvolve conta com quem já passou pelo problema que eles estão resolvendo, o que traz uma maior capacidade de criar soluções plausíveis. Felipe Cavalcante, natural de Goiânia, é um empreendedor, e já fundou um cursinho, chegando a ter contato com mais de 1.200 alunos ao longo de dois anos. Além disso, Felipe também atua em um negócio de família, no ramo de moda, que já chegou a faturar mais de R$2 milhões em um ano, alcançando a marca de mais de 100 mil seguidores nas mídias sociais. Junto com a experiência empreendedora, Felipe também já teve algumas experiências de estágio em órgãos públicos, como INSS e Tribunal Regional do Trabalho. O time também conta com Lorena, uma psicóloga com muitas experiências de liderança ao redor do mundo. Ela já atuou em trabalhos com jovens em mais de 20 países, sendo uma das grandes referências de liderança em uma das maiores organizações de jovens do mundo, a Aiesec. E, completando o time de peso, temos Renato Zamboni, um jovem de apenas 17 anos que é apaixonado por empreendedorismo e tecnologia. Ele cursa o ensino médio junto com um técnico em informática e um técnico em administração. Além disso tudo, faz estágio em uma empresa, atuando com atendimento ao consumidor, e participa de outros programas no Brasil e no exterior.

EcoMud

2021

Saiba mais!

A EcoMud é uma empresa que busca dar destino ao subproduto das mais de 20.000 barragens de mineração que existem no Brasil.Segundo dados do Instituto Brasileiro de Mineração, 0,003% do rejeito da atividade de mineração (uma das principais da economia brasileira) é reaproveitado. Não bastassem esses números alarmantes, as comunidades próximas às mineradoras enfrentam outro problema: as grandes obras e o transporte de caminhões e veículos de grande porte em estradas de baixa qualidade, que faz com que uma nuvem de poeira e poluentes envolva toda a comunidade circunvizinha, causando grande mal-estar em moradores, na fauna, na flora e nos recursos hídricos, das matas periféricas às mineradoras.A EcoMud foca na solução desse problema por meio de uma solução desenvolvida a partir da reutilização de rejeitos da mineração. O pavimento EcoMud oferece grande durabilidade, resistência e baixo custo.Trabalhando como camada final, é ideal para mineradoras que buscam soluções eficientes no controle de poeira e redução de pontos de atoleiros.A EcoMud proporciona economia na manutenção das vias, equipamentos e veículos, reduz a utilização de água e o consumo de combustível.RESULTADOS EXPRESSIVOS E CONTRIBUIÇÕES AO MEIO AMBIENTEDesde 2018, a EcoMud já reaproveitou mais de 15 mil toneladas de lama e produziu 10,5 quilômetros de asfalto. Mais de 500 pessoas já foram diretamente beneficiadas por suas ações. O modelo de negócios da EcoMud é relativamente simples. A mineradora gera rejeitos ao operar e enfrenta problemas com a disposição desse material. Ao mesmo tempo, ela também sofre com a manutenção de vias e necessidade constante de controlar a poeira e os atoleiros. A EcoMud resolve os dois problemas de uma vez.Após o transporte desse material até a via que será pavimentada, a EcoMud é responsável por todas as operações, e entrega o trecho pronto para receber o tráfego previsto, recebendo por quilômetro pavimentado. Os preços ofertados variam de acordo com as características das vidas e do rejeito a ser trabalhado. SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS COM BASE EM PESQUISAA EcoMud é uma solução desenvolvida com base em pesquisa feita pela equipe de sócios da empresa, que é composta por Gabriel Saleh, participante ProLíder 2021. Desde 2018, são realizados estudos de viabilidade técnica promovidos pela Samarco, para que se prove que o pavimento sugerido tem viabilidade. Quando os acessos são pavimentados pela EcoMud, há redução no número de intervenções, redução da exposição ao risco, aumento da disponibilidade de equipamentos para obras, aumento do retorno financeiro dos ativos e aumento da produtividade da frota.E a pesquisa não para: um outro produto para a EcoMud, em processo de desenvolvimento, é o revestimento de bermas (superfícies públicas feitas para estabilizar estradas localizadas em locais íngremes e de difícil acesso) visando impermeabilização e controle de poeira.Tudo isto é só o começo. Com a onda do interesse de grandes empresas em ESG, Gabriel acredita que a EcoMud tem tudo para despertar a atenção de grandes mineradoras no Brasil e no mundo.

Enlace

2021

Saiba mais!

Nunca se falou tanto em saúde mental como nos dias de hoje. É possível ver pessoas cada vez mais jovens criando verdadeiros impérios virtuais ou físicos, assumindo riscos cada vez mais altos no mercado de trabalho, ocupando posições de destaque, gerenciando negócios, mas negligenciando totalmente o território das próprias emoções. O impacto disso é sentido por familiares e amigos, mas o início desse problema é invisível e, muitas vezes, confundido com problemas que, na verdade, são consequência desse desequilíbrio. O Enlace assume a responsabilidade de encarar de frente esse, que é um dos problemas mais evidentes no Brasil na atualidade.A iniciativa foi criada após Erick, seu fundador, observar a realidade da saúde mental brasileira. Houve um aumento, sem precedentes, dos índices de sofrimento psicológico, adoecimento mental e suicídio de crianças e adolescentes nos últimos 10 anos. No mais trágico gráfico, dados do SUS apontam um aumento de 68% dos suicídios em adolescentes (15-19) na última década. Esse cenário catastrófico, em parte, é explicado pela falta de acesso das crianças e adolescentes de periferia a serviços assistenciais de saúde mental, seja pelas barreiras e demora para acessar os serviços públicos e filantrópicos, ou pelos altos preços dos serviços privados.ENLACE: DE PROJETO DE EXTENSÃO PARA POLÍTICA PÚBLICA MUNICIPALO Enlace iniciou como um projeto de extensão pelo Observatório de Saúde Mental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). 40 voluntários de cursos de saúde e educação são capacitados por oito professores e profissionais e levam apoio psicológico coletivo em saúde mental a nove escolas da periferia de Natal (RN), o que é viabilizado através de parceria com o Programa Saúde na Escola da Secretaria Municipal e Estadual de Saúde. Até Dezembro de 2021, mais de 700 crianças e adolescentes de 12 a 18 anos já foram impactados pelas ações do Enlace.Nas escolas, são feitas rodas de conversa estruturadas para promoção de temas em saúde mental, criando um ambiente acolhedor através de dinâmicas e brincadeiras que estimulam a abertura à vulnerabilidade. Assim, o Enlace tem o objetivo central de criar a união da turma e da escola para temas ligados à saúde mental. Além disso, para aqueles jovens que já apresentam adoecimento mental e casos mais graves, o Enlace atua na facilitação da articulação, juntamente com a escola, entre a família e os serviços adequados do SUS.RESULTADOS E SONHO DE FUTURONos 4 meses de Enlace, verificou-se que o projeto:reduziu o sofrimento psicoemocional desses jovens;preveniu comportamentos de autolesão e pensamento suicida;educou em saúde mental;aumentou a capacidade do público em alcançar apoio profissional.Agora, com o protótipo do Enlace montado, Erick tem o sonho de transformá-lo em uma política pública ligada à Secretaria Municipal de Saúde de Natal (RN), realizando um processo de design thinking para que esta política seja concebida. Em 2022, já estão acertadas, também, parceria com a Associação pela Saúde Emocional das Crianças, uma das maiores organizações sem fins lucrativos brasileiros do tema, e com a UNICEF, que financiará ações de saúde emocional do Enlace.Erick sonha com o dia em que as crianças de Natal (e, futuramente, do Brasil) terão todo o apoio para não sofrerem psicologicamente. Seu trabalho, todos os dias, como estudante de medicina, é fazer o seu sonho se tornar realidade.

Escola Comum

2021

Saiba mais!

ESCOLA COMUM


A Escola Comum promove a democracia através de uma formação cidadão para jovens de periferias com o objetivo de potencializar seu protagonismo dentro dos seus territórios e de superar coletivamente os desafios estruturais do Brasil a partir da ótica de quem já viveu na pele esses problemas.

Os jovens de hoje representam um dos mais importantes ativos para a solução dos múltiplos problemas do Brasil. Entretanto, ainda que mantenham expectativas e potencial para serem parte da construção de um futuro melhor, enfrentam uma série de obstáculos para se desenvolverem: são os que mais sofrem com a desigualdade e com a perda de renda nas crises. A vulnerabilidade e o racismo também são limitadores importantes, já que 61% dos jovens se autodeclaram pretos ou pardos (Atlas da Juventude, 2018).

Todo esse cenário se traduz em uma grande desmobilização política e social. Cerca de 70% dos jovens de 15 a 25 anos se consideram pouco ou nada interessados em política, e 93% se dizem insatisfeitos com a democracia (Latinobarometro, 2018).


EDUCAÇÃO POLÍTICA PARA TRANSFORMAR A JUVENTUDE

A partir desta realidade e sabendo a importância do jovem como agente transformador, a Escola Comum reuniu um grupo de voluntárias e voluntários com diferentes atuações e trajetórias, mas com um sonho: construir um Brasil sustentável, mais justo, desenvolvido e democrático.

[video embeddado: Conheça a Escola Comum - Dia de Doar - YouTube]

Hoje, o projeto conta com uma estrutura organizacional que vem se consolidando, estrutura de governança e uma rede ativa de 25 voluntários que se dividem em várias funções. Toda essa infraestrutura oferece dois tipos de curso. O curso de longa duração acontece por um ano, por 160 horas, dividido em temas como Direito, Economia, Políticas Públicas e Desafios Contemporâneos. Cada aluno recebe uma bolsa no valor de R$ 200 mensais, além de café da manhã, almoço, vale transporte e auxílio psicológico. Ao todo, 68 alunos já foram impactados ao longo de 3 anos.


PANDEMIA: A EDUCAÇÃO NÃO PODE PARAR

Também já foi ofertado um curso de curta duração em 2021 sobre política brasileira, com carga horária de 26 horas, pensando em superar os desafios impostos pela pandemia. 100 alunos de 16 estados diferentes foram impactados recebendo bolsas de 100 reais. Esses alunos tiveram aulas com pessoas como os ex-presidentes Fernando Henrique Cardozo e Michel Temer; e com os ex-ministros Celso Amorim e José Eduardo Cardozo. Ao todo, já foram formados 483 jovens, com taxa de evasão de apenas 15% - e todos os formados compõem a rede alumni da organização.

Os participantes relatam que, a partir da Escola Comum, aprenderam a:


  • Conhecer a estrutura política do País
  • Trocar experiências com pessoas na mesma situação social
  • Conhecer direitos e deveres como cidadão
  • Entender o valor da educação para um futuro mais promissor
  • Pensar as perspectivas de futuro


VISÃO DE FUTURO: CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO PARA CRESCIMENTO DO IMPACTO

O ano de 2021 busca o aumento dos esforços da Escola Comum para se tornar uma organização perene. O lindo trabalho que realiza se tornará ainda mais com uma estrutura que não dependa apenas de voluntariado.

Além disso, para começar o ano dando um pontapé inicial na captação, a organização realiza a campanha “Escola Comum Avança!”, que objetiva arrecadar 25 mil reais em seu primeiro marco, o suficiente para garantir o pagamento de 13 bolsas-estímulo e permitir que a Escola foque na promoção de suas atividades e seus objetivos para o ano de 2022: aumentar em 50% o número de alunos impactados no curso regular e estabelecer um processo de captação perene com ao menos 2 grandes filantropos.

A Escola Comum é formada, dentro do ProLíder, pelos participantes Saul Carvalho, Jama Wapichana, Larissa Ferracine, Rafael Lopez, Giancarlo Gama, Luiara Cássia e Graziele Fernandes.


Fico com a Cria

2021

Saiba mais!

A história da Fico com a Cria veio de um problema que Juliana Martins viveu na pele. Jovem de periferia, Juliana engravidou com 18 anos de idade e, quando Bia, sua filha, tinha dois meses de vida, o pai faleceu. Nesse momento, Juliana se viu sem chão, sem rede de apoio, com grandes dificuldades de entrar no mercado de trabalho, e sem condições de ir para a faculdade, para onde tinha sido aprovada, porque não tinha com quem deixar sua filha. Juliana viveu um problema de milhares de mães: precisar trabalhar para colocar comida dentro de casa, mas, ao mesmo tempo, ter que cuidar dos filhos. Entendendo essa necessidade de outras mães com uma realidade semelhante, e vendo nisso uma oportunidade de criar uma fonte de renda, Juliana resolveu empreender. E assim nasceu a Fico com a Cria, uma agência de babás, que forma as cuidadoras e oferece oportunidade de emprego, permitindo que mães consigam buscar sua fonte de sustento fora de casa. A ideia inicial da Fico com a Cria, era oferecer o serviço de babás para mães de baixa renda, que tinham de trabalhar para cuidar dos filhos. Hoje, uma mensalidade em uma escola particular começa com valores em torno de R$600 reais, sem contar os custos de transporte, materiais escolares e uniformes. O salário de uma babá varia em torno de R$2 mil reais, mais os encargos, não permitindo que mães de baixa renda, com salário em torno de R$1.000 a R$1.500 reais consigam arcar com esses custos.Entendendo que as mães que realmente precisavam desse serviço não tinham condições de pagar, Juliana resolveu prestar o serviço para mães com renda mais alta e reverter parte do seu lucro para auxiliar essas mães que, assim como ela, não têm condições de pagar pelos serviços de uma babá.A Fico com a Cria é uma plataforma que já formou mais de 90 profissionais, trazendo conceitos e treinando mulheres que têm interesse em trabalhar como cuidadoras infantis. Do outro lado, ela oferece, para as babás já treinadas, oportunidades de trabalhar com suas clientes. A Fico nasceu em 2019 e, até 2021, já atendeu mais de 190 famílias, gerando uma renda para as profissionais de mais de R$310 mil.Hoje, 5% do lucro da Fico com a Cria é revertido para o braço social da empresa. Ela cria um ambiente seguro, com profissionais capacitadas para promover o desenvolvimento infantil dos filhos de mulheres que vivem uma realidade parecida com a que ela viveu.As babás da Fico recebem uma formação voltada para o desenvolvimento das crianças e noções de cuidados básicos, higiene, alimentação, primeiros socorros e recreação. Toda a formação é voltada a capacitar as babás para que desenvolvam projetos pedagógicos semanais e tenham ferramentas de aplicação, com atividades que incentivem as crianças a estarem em um ambiente propício ao seu desenvolvimento, deixando as mães despreocupadas com o tipo de atenção que os filhos estão recebendo.Juliana busca outras formas de captação para reverter em ações para o braço social da Fico com a Cria. Ela entende que o impacto gerado pode ser muito maior, se outras organizações acreditarem no trabalho, o que vai gerar oportunidade para que mais crianças de mães de baixa renda sejam cuidadas por babás bem capacitadas e formadas.Hoje, Juliana conta com mais de 10 anos de experiência na área de vendas, sendo três deles atuando como empreendedora social. Além dessa carreira profissional, a maternidade, quando era tão nova, fez com que Juliana desenvolvesse as habilidades de liderança, entre elas, a empatia e a inteligência emocional.Já existe um grupo de apoio forte à causa gerida por Juliana e seu time. A Fundação Telefônica, Aliança Empreendedora, Rede Mulher Empreendedora e várias outras redes já prestaram algum tipo de apoio a essa iniciativa, que ainda busca outras formas de financiar o apoio às mães de baixa renda.Hoje, mais de 5 milhões de crianças de baixa renda, com 0 a 3 anos de idade, precisam de creche no Brasil. No planejamento de Juliana para a Fico com a Cria, a proposta é buscar outras fontes de receita para gerar mais impacto através da expansão da empresa.

Flink

2020

Saiba mais!

A Flink nasceu criando um novo jeito de fazer compras e aproximar o supermercado do consumidor através de uma solução que integra o ambiente físico ao digital.Grande parte das indústrias tem trabalhando em mudanças e criação de novas experiências para os seus consumidores. E a Flink entra como resposta para a pergunta "Como os supermercados também podem fazer isso?". Com sua proposta de descomplicar supermercados com excelência e visando atender à demanda real e latente dos supermercados, a solução da Flink foi desenhada com base em um grande período de estudo e planejamento das necessidades reais do mercado.Sua solução consiste em um aplicativo de celular, que ajuda a transformar as compras em momentos práticos, prazerosos e divertidos, descomplicando os supermercados. Seu layout é semelhante a um feed do instagram, onde te permite organizar sua lista de compras, encontrar os produtos no supermercado, ler os códigos de barras, e calculando o preço final das suas compras, antes mesmo de sair de casa. O aplicativo foi construído com um design voltado para a experiência, que já foi testado com usuários.Ela se apresenta como uma solução digital para maximizar o lucro de supermercados, ao reduzir divergências de preços nas gôndolas, reduzir filas, identificar produtos em falta, dar alternativas e ainda acolher sugestões sobre itens não ofertados na loja.Lívia Furtado, CEO e Fundadora da Flink é natural de Recife e é participante do ProLíder 2020. Ela foi responsável por várias parcerias estratégicas e com rede de supermercados que podem trazer frutos positivos para o desenvolvimento da empresa. Além disso, a Flink também está participando e bem posicionada em competições à nível nacional. Além de Lívia, a equipe ainda conta com Carlos, que auxilia Lívia na jornada de construção da solução.

Garatéa

2016

Saiba mais!

O Garatea desenvolve soluções com o intuito de aumentar a taxa de sobrevivência da população brasileira em emergências médicas.A principal delas é possível através da união da tecnologia e do engajamento cívico: o empreendimento, cujo nome significa "busca-vidas" em tupi-guarani, conecta, através de um aplicativo, uma rede de respondentes capacitados em primeiros-socorros e pacientes que buscam ajuda.A missão do Garatea é auxiliar as centrais de emergância ao redor do Brasil a diminuir os seus tempos médios de resposta, para, assim, garantir que nenhum brasileiro ou brasileira tenha a saúde prejudicada pela demora no atendimento. Um primeiro atendimento veloz e eficaz é essencial, pois, em algumas situações, a cada minuto que o paciente fica a ser atendido, a sua chance de sobrevida cai em 10%.Para garantir que o empreendimento se mantenha de maneira sustentável, o modelo de receita é o de Software as a Service (SaaS), no qual, através de contratos anuais, as centrais de emergência passa a usufruir das soluções disponibilizadas pelo empreendimento.O Garatea já teve suas soluções testadas em cinco diferentes municípios localizados em três diferentes Estados do Sul e do Sudeste. Através disso, foi possível evidenciar uma diminuição de até sete minutos no tempo médio de resposta nas situações nas quais o Garatéa atuou.Para o futuro, o Garatea busca como grande objetivo a implementação de suas soluções em uma metrópole como São Paulo. Até o momento, as suas soluções foram validadas apenas em municípios de pequeno e médio porte - e o impacto pode ser ainda maior caso ocorra uma operação em uma grande cidade. Tais resultados somente são possíveis em virtude de um time formado por três fellows ProLíder - Alexandre Lima, Caio Poli e Iani Zeigerman - e de uma parceria com o GoodSAM , localizado em Londres.

I-Lumina

2021

Saiba mais!

A necessidade de investimento em energias renováveis tem aberto portas para novas empresas e novas formas de consumir luz. A i-Lumina veio contribuir com a disseminação da energia solar no Brasil.Com o alto e crescente custo da energia elétrica para os consumidores finais, cada vez mais pessoas vêm se voltando para outras alternativas, a fim de conseguir manter uma conta de luz saudável. É nessa oportunidade de mercado que Gustavo e Jéssica, participantes ProLíder 2021, decidiram entrar no mercado de energia solar, fornecendo a instalação de projetos elétricos para residências. Com isso, 22 famílias já foram impactadas, gerando uma economia anual somada de R$ 120.000,00 para todos os clientes já atendidos.ENERGIA SOLAR PARA DIMINUIR A MUDANÇA CLIMÁTICAMas esse problema não deve ser encarado apenas em uma lente micro. É preciso entender também o ambiente macro: a cada ano que passa, a mudança climática se torna uma realidade mais sombria e assustadora. É por isso que maneiras mais sustentáveis de se produzir energia devem ser disseminadas e incentivadas.Por isso, o trabalho de Gustavo e Jéssica não gera benefícios apenas para as famílias que são atendidas, mas também para todo o meio ambiente. O atendimento feito por eles, até o momento, já permitiu a redução de mais de 142 toneladas de gás carbônico da atmosfera. INOVAÇÃO NA FORMA DE SE VENDER ENERGIA SOLARPara entrar neste mercado, também é importante que se entenda a sua estrutura e como rompê-lo. Por isso, o time também planeja, no futuro, ser uma plataforma multilateral para o fornecimento completo de sistemas de energia solar. Além de atuar na instalação de equipamentos, a i-Lumina pretende operar na distribuição de equipamentos, venda, gerenciamento e treinamento, abraçando todas as pontas do mercado.Para que este sonho possa se tornar realidade, é necessário uma equipe experiente. Gustavo é formado em Engenharia Elétrica na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), fez parte da graduação na França, completou cursos de especialização de energia solar, dá aulas em cursos da área na mesma universidade em que se formou e, há anos, atua em uma empresa de projetos elétricos e de sustentabilidade. A i-Lumina é mais um passo dentro da sua trajetória para revolucionar o mercado de energia solar no Brasil.

Infill

2020

Saiba mais!

A Infill é uma fábrica escola de impressoras 3D e ensino de tecnologia dentro da comunidade do complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.O objetivo principal da Infill é democratizar a tecnologia na favela através da fabricação de impressoras 3D e cursos, criando oportunidades para que todos os jovens de periferia possam trabalhar com tecnologia.Transformar a vida dos jovens de periferia é o principal objetivo da Infill, atuando através da tecnologia e do aprendizado. O foco do projeto não é uma produção em massa de impressoras e sim uma produção que seja responsável por transformar a realidade e as perspectivas das pessoas da comunidade.A proposta da Infill é produzir impressoras 3D, através da utilização de sucata e peças de baixo, capacitando os jovens em tecnologia e cultura maker. Com os jovens qualificados, ele serão inseridos na produção das novas impressoras, gerando assim uma tecnologia 100% produzida na favela.Além da comercialização de impressoras, elas também poderão ser utilizadas para produção. Os jovens vão ter a oportunidade de usar sua criatividade para produzir soluções ou objetos que podem virar negócios, permitindo o desenvolvimento profisisonal e a geração de renda, e transformando a realidade de jovens das comunidades.Dentro de 5 anos, a Infill espera ser reconhecida como referência em levar e apoiar o desenvolvimento tecnológico nas comunidades do Rio de Janeiro.A Infill nasceu pelas mãos de Lucas Lima, morador do Complexo do Alemão, participante da turma de 2020 do ProLíder. Através da Infill, Lucas quer proporcionar para outras pessoas negras, periféricas e de baixa renda, que tenham perspectivas para um futuro melhor e com mais opções.

Instituto Sunset

2021

Saiba mais!

INSTITUTO SUNSET


O Instituto Sunset tem a missão de promover o aumento de renda a maranhenses que
vivem do extrativismo do açaí por meio da geração de valor no processo de colheita e
despolpamento do fruto.
O mercado de açaí tem uma cadeia de produção com muitos players envolvidos.
Dentro desta cadeia de produção, paradoxalmente, de todo o dinheiro que é
movimentado, quase nada fica no início - na mão dos produtores rurais que extraem o
açaí. Comunidades nativas maranhenses colhem o fruto e vendem para intermediários
por um preço muito abaixo do que é vendido no mercado. Essas comunidades não
têm a capacidade de aumentar a produção de polpa de açaí devido a condições de
armazenamento e logística. Por causa disso, os açaizeiros enfrentam graves
restrições socioeconômicas e falta de oportunidade de trabalho e renda quando o
período de colheita se encerra.
Aliado a isso, o Maranhão é o estado mais pobre da federação, com ¼ da sua
população vivendo abaixo da linha da pobreza. Ter um instituto maranhense que serve
como ponte para o diálogo, que busca parcerias e que mobiliza atores interessados no
desenvolvimento sustentável do seu território é fundamental para a mudança desse
cenário.
O Instituto Sunset pretende melhorar a qualidade de vida dessas famílias viabilizando
acesso à oportunidade de venda do açaí pelo valor justo de mercado, eliminando a
figura do intermediário, contribuindo na melhoria dos processos de extrativismo por
meio de capacitações técnicas, treinamento e geração de valor a partir do
beneficiamento do fruto e promoção da inclusão social em cada comunidade parceira.

PARA REVOLUCIONAR O MERCADO, FAÇA PARTE DELE E O CONHEÇA PROFUNDAMENTE


Esta é a lógica utilizada por Ekles Arruda, participante do ProLíder 2021. Ekles
começou no outro extremo do mercado de açaí: com o dinheiro que juntou após uma
vida como gerente de agências bancárias, abriu uma franquia de açaí e, em pouco
tempo, criou uma marca própria. Não demorou muito para que o seu sonho grande
crescesse e ele já tivesse sete pontos de venda de açaí espalhados por São Luís do
Maranhão.
Após fixar-se no mercado com o consumidor final, Ekles fundou uma distribuidora de
açaí para atender a seus pontos de venda e os de outros concorrentes. Mas,
conhecendo a fundo a forma como o mercado estava sendo construído, Ekles
percebeu que o dinheiro que estava movimentando não representava uma melhor
renda para quem iniciava tudo aquilo. Foi com este pensamento que ele decidiu
verticalizar o resto da cadeia e criar o Instituto Sunset, para que possa, com o poder
de mercado que vem adquirindo, aos poucos, eliminar intermediários da cadeia e fazer
com que o valor seja capturado também pelos extrativistas locais.

AUMENTO DA RENDA POR MEIO DA INCLUSÃO PRODUTIVA: O POVOADO KM 1700


Para provar a sua lógica, Ekles fez uma parceria com a Suzano, que instalou
equipamentos de estoque de açaí no Povoado Km 1700, localizado no sul do
Maranhão, cuja principal fonte de renda é gerada pela atividade de extrativismo do
açaí. O Povoado Km 1700 possui 287 casas e pouco mais de 500 moradores,

chegando ao pico de mais de 1.000 moradores no auge da safra de açaí. Em
dezembro de 2021, o Instituto Sunset iniciará a compra do fruto conforme a parceria
estabelecida com o Povoado, com a compra garantida da polpa pelo preço de R$ 9,00
por quilo (um valor muito maior do que era vendido anteriormente). Na safra de 2022,
a renda média bruta mensal de R$ 2.000,00 por associado passará para R$ 3.600,00
após a parceria.

SONHO PARA O FUTURO: MAIS COMUNIDADES, MAIS CULTURAS


Ekles não quer parar por aí. Seu sonho para o futuro é conseguir transformar o
Instituto Sunset em uma das maiores organizações de inclusão produtiva do Brasil,
atingindo novas comunidades e ajudando a integrar outras cadeias produtivas de
frutas no Brasil. O açaí é o primeiro passo, mas ele deseja tornar-se uma grande
referência no Maranhão. Seu objetivo é realizar o mesmo trabalho que será
desenvolvido no Povoado Km 1.700 em mais 8 territórios até 2023 e buscar parcerias
com organizações da sociedade civil, empresas do terceiro setor, com o poder público
e empresas de serviços sociais para que seu sonho se realize.

Mapa das Desigualdades

2021

Saiba mais!

MAPA DAS DESIGUALDADES

O Mapa das Desigualdades busca cruzar bases de dados de registros municipais com
informações geográficas para mostrar, com precisão, onde a vulnerabilidade social se
apresenta em uma cidade.
O Mapa das Desigualdades é uma estratégia de vigilância socioassistencial que busca
contribuir para aumentar a eficiência de processos dentro de municípios que, muitas
vezes, têm poucos recursos para poder fazer grandes políticas públicas e, justamente
por isso, precisam saber quais serão as mais efetivas e que trarão os melhores
resultados.
O projeto é realizado por Lucas Kogut, participante do ProLíder 2021, apaixonado por
solucionar problemas de gestão pública. Lucas está atualmente Diretor de
Planejamento e Vigilância Socioassistencial do município de Rio Branco do Sul.

CASE DE APLICAÇÃO: RIO BRANCO DO SUL


O município de Rio Branco do Sul é um município parecido com muitos outros que
existem no Brasil: é uma cidade com pouco mais de 32 mil habitantes, sendo que
destes, 44,39% estão em situação de extrema pobreza, pobreza ou vulnerabilidade à
pobreza. Além disso, o município não possui recursos sobrando para poder executar
grandes políticas públicas para resolver os problemas sociais que enfrenta.
Logo, não há insumos básicos que subsidiem o dimensionamento, a formulação e a
orçamentação adequada de políticas públicas que promovam, de maneira efetiva e
eficiente, a redução das desigualdades sociais em Rio Branco do Sul. 
Com isso, Lucas, dentro da prefeitura de Rio Branco do Sul, realizou um projeto de
organização das bases de dados públicas disponíveis sobre o município e realizou a
primeira versão da sua solução: uma plataforma que permite visualizar, de maneira
clara, onde os problemas sociais se concentram em Rio Branco do Sul.

Acesse ao mapa clicando em https://bit.ly/mapadasdesigualdades_rbs

VIABILIDADE TÉCNICA E ESCALABILIDADE PARA REALIZAÇÃO DA
PLATAFORMA

O projeto apresenta um enorme potencial não apenas pelo benefício que pode gerar a
Rio Branco do Sul, mas também a outros municípios. Com a mesma metodologia
aplicada na cidade, podem-se gerar visualizações a nível estadual e nacional do Mapa
das Desigualdades, bastando alterar a base de dados que o compõe. Em termos
orçamentários, o município pode utilizar os recursos do Índice de Gestão
Descentralizada (IGD-M) para custear serviços de qualificação da gestão de dados do
Cadastro Único, cujas transferências mensais são de R$ 9.032,15 para Rio Branco do
Sul, mas que variam de município a município de acordo com o porte do município e a
nota nos índices de gestão descentralizados.
O sonho de Lucas é ajudar a realizar a transformação digital nos entes federativos
brasileiros, permitindo que as prefeituras, os estados e a União saibam, de maneira
efetiva, onde os problemas sociais se encontram e como atacá-los da melhor maneira.

Mathy

2021

Saiba mais!

MATHY


Você conhece alguém que teve dificuldade de aprender matemática na escola?

A resposta para essa pergunta já é conhecida, e todo mundo, se não teve, conhece alguém que teve muita dificuldade para aprender matemática. E a Mathy surgiu para ajudar a solucionar esse problema.

Um time super capacitado, experiente e jovem, está criando um ecossistema verticalizado de aprendizagem de matemática para a nossa geração.

Pedro é formado em Engenharia pelo IME, concluindo o curso como o melhor aluno de sua turma.Ainda dentro da faculdade, ele foi presidente do Clube de Consultoria do IME e em 2018 ingressou na Mckinsey & Company, uma das maiores empresas de consultoria do mundo. Durante três anos, ele participou de vários projetos, sendo inclusive premiado. Hoje Pedro é Head de Estratégia e M&A do Descomplica, a maior Edtech da América Latina. Nesse projeto da Mathy, Pedro é quem assume o papel de CEO.

Na parte de Tecnologia do time, a pessoa responsável é o Fábio Baldissera. Fábio é formado em Engenharia pela Universidade Federal de Santa Maria, e é mestre pela PUCRS, com ênfase em Inteligência Artificial para visão computacional. Já participou de eventos sobre ciências e empreendedorismo em Israel, Rússia e Egito e fez intercâmbio nos Estados Unidos. Como profissional, ele já co fundou duas startups, trabalha em uma healthtech e hoje, além da Mathy, é Perito Criminal.

A operação ficou na mão de Marcos Vinicius, natural de Chapecó, em Santa Catarina, ele cursou o ensino médio junto ao curso Técnico em Informática. Além disso, foi bolsista no Sistema Poliedro e Farias Brito, sendo aprovado em mais de 10 universidades nos cursos relacionados a Engenharia, Economia e Medicina. Ingressou no Insper, onde cursa Engenharia de Computação como bolsista integral. Começou a empreender, atuando no mercado de recrutamento e seleção, tendo seu negócio já apoiado por pessoas como André Street, Jorge Paulo Lemann e Marcel Telles.

E a pessoa responsável por toda parte de aprendizado dos clientes é a Ruth Gaudêncio. Ruth é natural da periferia da cidade de Itapecerica da Serra, região metropolitana de São Paulo. Cresceu junto de cinco irmãos, e passando por vários problemas sociais, Ruth tinha o apoio nos pais que sempre incentivaram que ela estudasse. Ingressou na graduação em Engenharia de Alimentos, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e começou a entender o quanto era empreendedora e buscava sempre criar as próprias oportunidades. Fundou empresa Junior, participou de outras atividades, mas decidiu abandonar a faculdade, e hoje Ruth atua como voluntária na Fundação Estudar e na Educafro, onde também é aluna  e é bolsista, no curso de no Insper.

Com esse time de peso, a Mathy busca trazer uma metodologia já validada do aprendizado por solução de exercícios de uma forma mais democrática e interativa. A proposta é, de forma gamificada, permitir que os seus alunos aprendam matemática de uma forma divertida enquanto que o software por trás cria um diagnóstico inteligente.

Existe um mercado gigante de educação complementar, e a proposta é fazer isso de forma democrática e acessível. Hoje, o principal concorrente tem um custo elevado, além de exigir a necessidade de ser presencial. A Mathy planeja vender sua solução por 1/10 do preço do principal concorrente, permitindo que jovens de qualquer lugar do mundo tenham acesso à sua plataforma de ensino. Além disso, a Mathy oferece uma pedagogia personalizada com inteligência artificial, dentro de uma experiência engajante, trazendo conteúdos condizentes com a maturidade do aluno, oferecido dentro de uma comunidade, onde ele pode interagir com outros usuários da plataforma, participando de competições e premiações tornando a experiência divertida.

A plataforma da Mathy está sendo construída, mas já passou por validações com possíveis clientes, tendo colhidos feedbacks não só dos alunos usuários da plataforma, mas também dos pais e responsáveis.

Para tornar a experiência ainda mais divertida para os participantes, eles têm acesso dentro da plataforma a dashboards, permitindo que eles consigam ter metas, ver seus avanços e participar de rankings. Além disso, a plataforma também oferece aos pais, um login separado, onde pode acompanhar o processo de aprendizagem das crianças e traçar um planejamento de estudo junto com elas.


Movimento Democratizou

2021

Saiba mais!

O Movimento Democratizou é um movimento ativista juvenil, sem vínculos partidários e global, que tem como objetivo fomentar a educação pela democracia de jovens para jovens.O movimento é idealizado por Luana Prado, jovem sergipana de 18 anos que sonha com um dia em que a juventude brasileira voltará a se organizar em prol da democracia nacional. Segundo pesquisa da Universidade de Cambridge, devido às fake news e à ascensão de movimentos extremistas, o apoio da juventude à democracia vem caindo muito rapidamente, com uma situação especialmente alarmante na América Latina.Por isso, o Movimento Democratizou produz aulas, eventos, debates, textos e e-books para fornecer conhecimento político para jovens. A organização se iniciou no Brasil e começou a dar os seus primeiros passos em outros países.MOVIMENTO DE JOVENS PARA JOVENSJá foram promovidos cerca de 60 debates, 50 aulas, 40 eventos e 40 textos produzidos por jovens, para jovens. Mais de 100 embaixadores se dividem por todos os estados do Brasil, e 10 clubes internacionais do movimento estão em formação na América Latina. Ao todo, mais de 150.000 pessoas já foram impactadas pelo Movimento Democratizou, que começou com o sonho de uma jovem de 18 anos.Os eventos, materiais e debates são realizados pelos embaixadores, que possuem independência criativa. A organização se inspira em diversos outros movimentos jovens para poder espalhar a sua palavra e a sua mensagem utilizando o mínimo de recursos possível e movimentando o maior número possível de jovens. SONHO: ULTRAPASSAR AS FRONTEIRAS BRASILEIRASLuana sonha com o dia em que o Movimento Democratizou será uma ponte para o diálogo entre jovens de diferentes países. Este sonho está, cada dia mais, tornando-se realidade. 10 clubes do Democratizou estão em processo de formação fora do Brasil, permitindo que discussões democráticas atravessem nações e unam jovens de toda a América Latina.Esse sonho começou com uma jovem e é totalmente mobilizado por pessoas que estão iniciando as suas vidas, mas que são politicamente engajadas e buscam contribuir para o futuro dos países em que vivem. Essa rede é a base da luta por uma juventude mais engajada, para combater notícias falsas e formar uma nova geração de cidadãos políticos.

NAIM

2021

Saiba mais!

Um dos maiores problemas que os refugiados encontram em seu caminho, sem sombra de dúvidas, é a falta de um olhar humanizado. Quando a gente mira o nosso olhar para o outro e não enxerga um semelhante nosso, com sonhos, capacidades e mazelas como as nossas, e perde a sensibilidade para a sua vulnerabilidade, qualquer dificuldade que um ser humano possa passar nunca será mais doída do que o sofrimento de ver coisificado pelo olhar do outro.A causa dos refugiados é um problema que o Núcleo de Atendimento ao Imigrante enfrenta e que cresce a cada dia no Brasil. Somente entre abril de 2018 e setembro de 2019, o Centro de Referência que existia em Florianópolis atendeu 13.303 imigrantes e refugiados oriundos de 59 países, sendo a grande maioria de haitianos. Esse número não para de crescer, e diferentes pontos do Brasil apresentam números cada vez mais alarmantes dessa situação. ATENDIMENTO HUMANIZADO A REFUGIADOS VULNERÁVEISA solução para esse problema passa pelas mãos de uma pessoa que sofreu na pele essa dor: Ruth Anastazia, participante ProLíder 2021, foi forçada a vir do Haiti, seu país de nascimento, para o Brasil, devido às condições sociais. Ao chegar em São Paulo, deparou-se com todas as dificuldades pelas quais passa um imigrante e, mesmo assim, enfrentando desafios gigantescos, conseguiu passar para a graduação em Relações Internacionais na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).Lá, se deparou com a realidade: não existe um centro que atenda refugiados no Estado de Santa Catarina. Ao chegar lá, eles não conseguem se regularizar a fim de trabalhar e se sustentar, não conseguem ter acesso a aulas de português e não têm a mínima ideia dos seus direitos assegurados na Lei de Migração e na Lei Estadual 18.018/20. Toda essa situação gera uma dificuldade enorme no processo de integração efetiva, que vai gerar sua contribuição nas diferentes propostas de soluções tanto para eles como para o crescimento do Brasil.Por isso, Ruth criou o Núcleo de Atendimento ao Imigrante, uma organização sem fins lucrativos, composta por imigrantes e refugiados competentes e com vontade de participar dessa mudança, de origens diferentes, que atuará prestando atendimento aos imigrantes e refugiados em diversos pontos:mapeamento da comunidade no Estado de Santa Catarina;regularização documental;suporte para aulas de português;acompanhamento em processos jurídicos;preparação para o mercado de trabalho;atividades e espaços para debate sobre assuntos sociais, econômicos, culturais e políticos; eelaboração de projetos que vão garantir a sustentabilidade dessa população.O Naim já existe e já realiza atendimentos para imigrantes que vêm de diferentes países. É o caso de Judeline Rogeline Julien (à esquerda), imigrante haitiana que chegou ao Brasil em 12/10/2021 e que teve todo o suporte do Naim e de Ruth (à direita) para ter os seus documentos legalizados, a fim de poder trabalhar.Judeline não é a única; uma série de imigrantes (em sua maioria, haitianos) já recebeu a ajuda do Naim para que possam se regularizar, trabalhar e ter dignidade. Este é apenas o início do sonho de Ruth, que viveu na pele todos os problemas e não quer mais que nenhuma pessoa tenha que passar por eles.

NextCam

2020

Saiba mais!

A NextCam tem a missão de transformar os ambientes de risco da construção civil através da visão computacional e inteligência articial, tornando-os mais seguros e organizados, protegendo, assim, as pessoas que lá trabalham.Obras são um caos, os riscos estão por todos os lados, e isso gera grandes problemas para o Brasil e para o setor de construção. Acidentes e atrasos contribuem para um prejuízo bilionário todos os anos. A NextCam ataca esse problema utilizando imagens e tecnologia.Através de câmeras instaladas em pontos específicos dos canteiros, analisamos as imagens com o nosso software de processamento de imagens, reconhecendo padrões e levantando indicadores sobre a segurança e o comportamento da obra. Os profissionais desse setor buscam soluções remotas, que permitem o acompanhamento e o controla da obra. Por isso, esses dados são levados aos responsáveis da obra e aos técnicas de segurança através de um dashboard gerencial e pelo whatsapp de quem está na obra e sore das dores dos riscos e da insegurança todos os dias. Com isso, medida preventivas e corretivas podem ser tomadas antes do atraso ou do acidente.A NextCam surgiu quando Adriano Peniche, participante ProLíder 2019, se junta com o seu sócio Guilherme Vogt enquanto os dois estagiavam juntos em uma startup na Alemanha. Os dois, ao voltarem ao Brasil, se juntam ao terceiro sócio, Luis de Souza, para começarem o empreendimento em terras nacionais.A NextCam já passou por alguns editais e programas, como o AWC 2018, do Instituto TIM; foi finalista da HackBrazil 2019, na Brazil Conference; ganhou o prêmio Engie Brasil de Inovação 2019, em Paris; foi selecionada nos programas Copel +, Sinapse da Inovação e Startup Conecta Brasil; e, no final de 2019, foi premiada com o primeiro lugar na Banca Final ProLíder 2019.Conheça mais sobre a NexCam aqui

Pagode por Elas

2020

Saiba mais!

O Pagode por Elas tem como objetivo ser um hub de entretenimento, divulgação e educação de artistas para potencializar suas carreiras e viabilizar um pagode baiano com maior representatividade.O Pagode por Elas já vem sendo vetor de uma revolução para uma nova década do pagodão - dessa vez com mais mulheres.O mercado musical do pagodão baiano é extremamente consolidado não só na Bahia, mas em todo nordeste, tendo alguns músicos que atingiram grande relevância nacional. Grupos como É o Tchan!, Harmonia do Samba, Psirico e Parangolé são alguns exemplos. Mas uma característica em comum: todos esses conjuntos musicais tem como cantor protagonista pessoas do sexo masculino.O fato de não existirem mulheres protagonizando sua trajetória nas bandas de pagodão baiano, trouxe um questionamento para Joyce Melo, que junto com outras colegas, realizarm uma pesquisa sobre a presença de mulheres vocalistas no pagode baiano. Nessa pesquisa foi identificado que não faltam cantoras deste estilo musical, mas faltam oportunidades, registros e visibilidade para que as cantoras existentes pudessem se destacar. Já foram mapeadas mais de 20 artistas que estão em busca de uma oportunidade e uma maneira de conseguir destaque no cenário musical do pagode baiano.E é aí que entra o Pagode por Elas. Ele pretende atuar em 4 frentes principais: A primeira delas, é através de um canal claro de comunicação, com redes sociais, podcasts, YouTube e site e com uma produção de conteúdos, como minisséries e documentários e artigos. O Pagode por Elas também vai atuar fornecendo pacotes de serviços comunicacionais para as artistas independentes do estilo musical, auxiliando na promoção e gerando oportunidades. Também vão atuar com uma linha de produtos, como peça de roupas e outros produtos licenciados, voltados para o público que acompanha o pagode baiano e para grandes empresas que buscam associar a sua marca com o movimento de mulheres na música. E por fim, vão trabalhar com uma frente de produção de eventos, voltados tanto para educação quanto para entreterimento e promoção do estilo musical.O Pagode por Elas nasceu com o objetivo de Joyce Melo, participante do ProLíder 2020 e suas sócias Beatriz Almeida e Giovana Marques de proporcionar para mais mulheres a oportunidade de se colocar em destaque no cenário musical do pagode baiano. Durante o ProLíder, Ana Luiza passou a integrar o time do PPE com o mesmo objetivo.

Plataforma Universo Sustentável

2021

Saiba mais!

A Plataforma Universo Sustentável busca territorializar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável por meio da democratização real das oportunidades de crescimento para as OSCs de base.A iniciativa promove formações “mão na massa” para melhoria da gestão dessas organizações, baseadas nas necessidades de cada uma.De acordo com o IPEA, 77% das Organizações da Sociedade Civil (OSC) do Brasil, são micro-organizações. Elas possuem dificuldades estruturais de gestão e, com frequência, essas dificuldades se tornam obstáculos de crescimento, porque a maioria esmagadora das instituições doadoras preferem financiar organizações já estruturadas, alimentando um ciclo vicioso.DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO A RECURSOSA Plataforma busca resolver este problema por meio de um sistema que reúna tecnologias sociais e digitais. A plataforma Universo Sustentável quer:formar as líderes das OSCs em habilidades de gestão;acompanhar essas pessoas na implementação dessas habilidades nas organizações de base;criar uma rede nacional de colaboração, compartilhamento de experiências e de conhecimentos que as fortalecerá.Essas três ações promoverão o desenvolvimento de um ciclo virtuoso de prosperidade e sustentabilidade.A realização dessas ações vai acontecer por meio de uma trilha de formação “mão na massa” que formará essas lideranças de OSCs em temas como a agenda 2030, gestão de projetos, gestão financeira, gestão de voluntariado e temas jurídicos. Além disso, será criada uma rede com todas as lideranças formadas para que elas também possam se apoiar por meio da conexão entre suas iniciativas. Também se deseja criar um processo de mensuração do impacto realizado por essas organizações.SONHO GRANDE: TORNAR AS OSCS DO BRASIL MAIS SUSTENTÁVEISA Plataforma Universo Sustentável tem o sonho de permitir a transformação social, por meio da territorialização dos ODS. Ela quer possibilitar a mensuração efetiva do impacto das OSCs de base.Para realizar esse sonho, Flora Fonseca e Hosana Gomes, participantes do ProLíder 2021, com experiência em gestão e em terceiro setor, juntaram-se para fundar essa iniciativa.

Play for a Cause

2018

Saiba mais!

O Play for a Cause é uma empresa que tem o objetivo de melhorar o acesso à educação através de uma grande paixão nacional: o futebol.A equipe recupera qualquer tipo de acessório esportivo que foi utilizado pelos jogadores durante jogos ou treinamentos de futebol: luvas de goleiro, camisas, shorts, chuteiras, bolas e outros - após coletá-los, os vendem na plataforma online da empresa e investem 50% de todo recurso gerado em instituições relacionadas à educação básica.O Empreendimento foi criado quando André Georges, participante ProLíder 2018, observou, em um estádio de futebol, que diversas pessoas estavam oferecendo notas de 100 euros a um segurança para poderem ter, em mãos, uma garrafa de água utilizada por Andrés Iniesta, então jogador do Barcelona. A partir de então, surgiu o insight: "se essas pessoas pagam tanto por uma garrafa, o quanto não pagariam por outros itens?" A partir de então, surgiu a ideia do Play for a Cause.O empreendimento já gerou frutos: a venda de um calção e uma camisa utilizados durante uma partida de futebol entre clubes franceses, no período inicial do empreendimento, permitiu o financiamento da construção de uma escola no Malawi. Diversas parcerias já foram fechadas com clubes brasileiros, como Santos, Flamengo e Bahia, e outros clubes estão encaminhados também para 2019.Atualmente, a equipe do Football for a Cause conta com cinco pessoas: André Georges, Célio Belém, Laiana Ferrari e Manuela Magalhães, fellows ProLíder 2018; e Fábio Justino.O objetivo atual do empreendimento é difundir a cultura do reaproveitamento do material esportivo com o intuito de gerar impacto social, investindo em projetos educacionais no Brasil. O Play for a Cause foi premiado com o primeiro lugar na Banca Final ProLíder 2018.Conheça mais sobre a Play for a Cause aqui.

Plific

2020

Saiba mais!

A Plific é uma carteira digital, que tem a função de sincronizar contas bancárias (débito, crédito, pré-pago e alimentação) e contas de aplicativos (Uber, Ifood, Rappi, e alguns outros).Com essa sincronização, os usuários poderão acompanhar seus gastos ou lucros de forma simples, sabendo onde, como, quando, quanto e como o seu dinheiro foi movimentado.A plataforma surgiu para facilitar a vida dos motoristas de aplicativos e entregadores, que utilizam diferentes plataformas para trabalhar, como Uber, 99, Rappi e outros. Cada um desses aplicativos oferece a sua carteira digital, dificultando uma visualização do desempenho do seu trabalho e de organização financeira dos usuários. Com a Plific, essas pessoas vão ter todo o seu controle financeiro em um lugar só.O crescimento do número de entregadores e motoristas de aplicativos, no ano de 2019, aumentou em 100%, em comparação com o ano de 2018. Além disso, o número de brasileiros que utilizam de serviços de fintechs tem crescido de forma exponencial.A ideia da Plific surgiu através de pesquisas sobre open banking ao redor do mundo. E dessa forma, foram desenvolvidos alguns produtos que procurem solucionar problemas latentes de parte da população.A Plific, que iniciou seus trabalhos no ano de 2020, tem traçado uma estratégia com a estruturação de alguns outros produtos que serão colocados em funcionamento num futuro próximo.A Plific tem uma equipe fundadora super jovem e competente, contando com André Luiz, participante da turma do ProLíder de 2020 e de seus sócios.

Programa Anticorrupção

2021

Saiba mais!

O Programa Anticorrupção é uma série de ações que buscam resolver um dos
maiores problemas da história do Brasil.
Segundo relatório do FMI (2019), o valor desviado por corrupção anualmente equivale
a 5% do PIB global. Este montante gira em torno de 6,5 trilhões de dólares, ou quase
cinco vezes o valor de tudo o que foi produzido no Brasil em 2020.
Com base nisso, Álvaro Santos, participante ProLíder 2021, decidiu dedicar a sua vida
para realizar projetos que busquem combater a corrupção a nível estadual (no Rio
Grande do Sul, o seu estado) e a nível federal.
PARA UM PROBLEMA SISTÊMICO, UM SISTEMA DE SOLUÇÕES
Para enfrentar um problema tão grande quanto a corrupção no Brasil, Álvaro, por meio
da sua atuação na Contadoria e Auditoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul,
realiza uma série de ações para resolver este problema.
O Programa Anticorrupção tem como visão de longo prazo construir uma sociedade
baseada na confiança com qualidade de vida mais elevada, e busca contribuir para a
resolução do problema da corrupção no Brasil. As suas iniciativas englobam os
seguintes aspectos:

 Projeto Escola Íntegra: Tem como objetivo difundir a cultura de integridade nas
escolas públicas por meio de aulas sobre o tema e disponibilização de cartilhas
informativas. O projeto busca impactar 260 mil alunos, 2.377 escolas e 43.682
professores por meio da atuação de 100 auditores da CAGE.
 Lei Anticorrupção Estadual: A Lei de Corrupção Estadual do Rio Grande do Sul
deu um passo além em relação à mesma lei federal e exigiu que empresas que
firmarem contratos com o Estado em algumas condições também sejam
obrigadas a implantar Programas de Integridade. Álvaro e outros auditores da
CAGE atuam efetivamente na regulação de Programas de Integridade dentro
do que é previsto na Lei.
 Whistleblower (delator do bem): Álvaro propõe implementar a regulação da
atividade de pessoas que possam fazer delações de atividades fora da lei
dentro do Estado do Rio Grande do Sul recebendo recompensas neste
processo, criando novos incentivos para a atividade anticorrupção no Estado.

Estas e outras atividades buscam resolver problemas ligados a corrupção, fraudes em
geral e a cultura do “jeitinho”. Álvaro dedicou a sua vida ao tema e busca se tornar
uma liderança e referência dentro do Rio Grande do Sul para, no futuro, alçar vôos
também a nível nacional, combatendo um dos maiores problemas do Brasil.

Programa Prospera

2021

Saiba mais!

Um dos fatores que contribui, e muito, para aumentar o índice de pobreza no Brasil é o sucateamento da educação, que deixa milhares de jovens sem qualificação para o mercado de trabalho, o que faz com que vivam de “bicos”, por conta do baixo nível de conhecimento que esse tipo de trabalho exige e, consequentemente, mal remunerados, alimentando um ciclo vicioso de pobreza por gerações, já que seus filhos dificilmente terão acesso a escolas que promovam educação de qualidade (seja por falta de dinheiro ou por falta de conhecimento e acesso aos programas de bolsa escolar comumente oferecidos). O Prospera é uma política pública que busca contribuir para reduzir esse índice de pobreza no Brasil.Sair da linha de subdesenvolvimento é um desafio extremamente difícil em um país como o Brasil. Existem, especificamente, dois tipos de barreiras para que uma família saia da extrema pobreza. A primeira barreira é que a família normalmente está presa a atividades de baixo retorno econômico. A segunda, são as demandas relacionadas à parentalidade (especialmente para mães-solo), como acesso limitado a mercados e barreiras psicológicas, que se somam ao fato de que as famílias precisam se submeter a subempregos para garantir o alimento de hoje, deixando de se capacitar e aprender as habilidades necessárias para um bom emprego. Além disso, famílias em extrema pobreza têm alta vulnerabilidade a choques: têm, muitas vezes, dependência de um único gerador de renda, e não têm mecanismos existentes para lidar com riscos (como previdência social, poupança e proteção social).O Prospera pretende promover a mobilidade social e romper com o ciclo intergeracional da pobreza e extrema pobreza por meio de uma abordagem multidimensional: capacitação, estímulo à geração de renda, inclusão produtiva e proteção integral. O programa está sendo implementado, desde 2020, no Governo do Estado de São Paulo, por meio da liderança de Danilo Erly, participante ProLíder 2021.A metodologia Prospera se sustenta sobre quatro pilares: Projeto de Vida, Tutoria, Capacitação e Incentivo Financeiro. O programa se baseia em iniciativas de inclusão econômica e social, desenvolvidas por organizações parceiras, e possui evidências de que a metodologia é capaz de promover o aumento sustentável da renda de seus participantes, bem como melhorias sensíveis na qualidade de vida.CASE DE IMPLEMENTAÇÃO: SANTO ANTÔNIO DA PATRULHAA metodologia do Prospera já é um sucesso dentro do Governo do Estado de São Paulo, mas seria possível pensar em um modelo de atuação que permita que essa metodologia seja replicada em municípios de outros estados?O objetivo da equipe de participantes do ProLíder dedicada a isso é facilitar a implementação e validar a viabilidade em cidades de pequeno porte.O programa-piloto será realizado no município de Santo Antônio da Patrulha, por meio da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social, para o público-alvo de 30 mães-solo, em extrema pobreza, com filhos na primeira infância (0 a 6 anos).Com base em resultados de programas similares, a equipe estima um Retorno Social sobre o Investimento de R$1,72, ou seja, a cada R$ 1,00 investido no Prospera, R$ 1,72 é gerado para a comunidade.Danilo Erly, Caroline Dourado, Victor Mendes, Ana Claudia Costa e Kassiano Fraga, participantes do ProLíder 2021, sonham em resolver um dos maiores problemas brasileiros por meio da criação de uma alternativa escalável para pequenos municípios.

SouHuma

2020

Saiba mais!

A SouHuma nasceu com a missão de construir um mundo mais sustentável e humano através dos hábitos, transformando cada pessoa em um agente de mudança.Ela é muito mais do que uma empresa de cosméticos naturais e educação ambiental, ela é uma organização que busca protagonizar a construção de um mundo mais sustentável.Seu objetivo é de causar uma expansão de consciência das pessoas para fazerem o questionamento de que, se não focarmos e prestarmos atenção na forma com que estamos vivendo, vamos acabar destruindo o nosso planeta. A conscientização das pessoas e as ações voltadas pra construção de um Brasil mais sustentável, também é nosso papel.Hoje, a SouHuma atua em duas frentes: a produção de cosméticos e produtos de higiene pessoal naturais, com embalagens conscientes e com menos plástico. Além disso, atuam também com um clube e assinaturas, no qual as pessoas recebem na sua casa mensalmente os produtos com o adicional de ter acesso a todo um conteúdo exclusivo e assessoria especializada para ajudar nos primeiros passos na mudança de hábitos.O empreendimento surgiu com a produção de um desodorante natural, feito por uma das sócias, e que abriu a visualização de um mercado pouco explorado. Hoje, além do desodorante são produzidos alguns outros produtos, como o shampoo e condicionador em barra.A SouHuma nasceu pelas mãos de Isis Terra, participante do ProLíder 2020. Além da Isis, a SouHuma ainda conta com outros 5 sócios que auxiliam nas ações da empresa.

ToBlue

2021

Saiba mais!

O tempo é uma moeda de valor inestimável. Muitos são os esforços para fazer com que a tecnologia otimize o tempo em muitas empresas, o que garante vantagem competitiva para elas, no entanto, em esferas públicas, é muito comum a tecnologia chegar a passos mais lentos, por ser um mercado mais burocrático e não competitivo, ou já fazer uso dela, sem que todos os envolvidos nos processos consigam usufruir, de forma eficaz, de tudo o que ela pode oferecer.A ToBlue veio ajudar as prefeituras de todos os municípios brasileiros a otimizar seus processos e enxergar melhor os seus dados. A empresa tem como objetivo contribuir para a digitalização de organizações públicas e privadas, melhorando o rendimento, os processos, a operação e a tecnologia atualmente usada, com uma oferta de serviços diferenciada e adaptada à sua realidade. Mais de 10 empresas já confiaram na startup, e mais de 200.000 pessoas já usaram algumas das soluções propostas pela ToBlue.A empresa tem três frentes principais: uma que busca atender grandes indústrias, uma para o agronegócio e uma para prefeituras. Cada uma delas tem uma maneira diferente de processar e integrar dados, para permitir a transformação digital dessas organizações.FORNECIMENTO DE SERVIÇOS PARA PREFEITURAS: ANÁLISE DE DADOS PARA MELHOR ATENDER A POPULAÇÃOA ToBlue já vem, há dois anos, prestando serviços de tecnologia para combate à Covid em algumas prefeituras do interior de Minas Gerais. Durante os projetos desenvolvidos para prefeituras de pequeno e médio porte (até 100.000 habitantes), ficou evidente que todas dispõem de inúmeros sistemas em uso que geram alto número de dados, porém, essa informação é muito pouco utilizada pelos gestores na tomada de decisões.A gestão por indicadores visuais e claros permite que os gestores tomem decisões mais rápidas e assertivas na otimização de recursos. Além disso, o uso da gestão por meio de indicadores permite que falhas sejam identificadas antes que ações movidas pelo ministério público resultem em processos contra a administração municipal.A ToBlue fornece uma plataforma de integração já configurada com o uso de dashboards de Business Intelligence com indicadores validados pela gestão municipal.ESCALA PARA ATENDER MAIS E MELHORA ToBlue percebeu, ao longo dos anos em que vem trabalhando, que há problemas parecidos em cidades de porte semelhante. Especificamente, existem 523 municípios de Minas Gerais e São Paulo que têm menos de 100.000 habitantes e são o principal foco da empresa no momento. Segundo a ToBlue, cidades de porte similar podem ser atendidas com uso de plataformas e conectores padronizados, usando indicadores também padronizados.Esse processo significa um potencial de escala imenso para o time, que busca atacar estes dois Estados, primeiro para testar os seus conceitos e, depois, expandir para todo o Brasil. A ToBlue já atende cinco prefeituras diferentes. Mais de 5.000 CNPJs e mais de 200.000 CPFs já utilizaram as soluções da ToBlue, que já desenvolveu mais de 25 painéis de Business Intelligence. Agora, Tiago Tozi, participante ProLíder 2021, busca aumentar o tamanho da sua empresa para gerar impacto e permitir a transformação digital de diversas cidades no Brasil.

Toti

2019

Saiba mais!

A Toti é um negócio social cujo propósito é inspirar a mudança na vida de refugiados, estabelecendo conexões através de educação, tecnologia e diversidade.A empresa promove um curso de programação para formar refugiados como desenvolvedores web e os conecta com empresa que têm altas demandas de programadores. Essas empresas podem investir em turmas totalmente personalizada spara formar pessoas para suas demandas específicas, que após formadas, irão compor suas vagas do time de tecnologia.Segundo dados da ONU, em 2019, existem 70,8 milhões de pessoas que são obrigadas a sair de seus países por motivo de perseguição política e religiosa, além de por terem, de alguma maneira, seus diretos humanos feridos. No Brasil, existem 170 mil refugiados, e um de seus maiores desafios é ter oportunidades de entrada no mercado de trabalho qualificado. Falando em emprego, no Brasil, a demanda por profissionais de TI vai crescer em 70 mil vagas por ano até 2024, mas as escolas de ensino superior do Brasil formam apenas 45 mil profisisonais por ano. Para empresas, isso significa dificuldade na hora de encontrar trabalhadores qualificados.A Toti atua na interseção desses dois problemas: ela busca inspirar a mudança na vida de refugiados para que possam reconstruir suas vidas num mercado com altas perspectivas de crescimento, enquanto auxilia empresas a preencher suas vagas com bons profissionais de tecnologia, promovendo diversidade e mais inovação para suas equipes.Atualmente, a Toti é gerida por Bruna Amaral, participante ProLíder 2019, e Caio Rodrigues, seu sócio. A equipe do empreendimento é composta por Beatriz Gonçalves, Diogo Nogueira, Eduardo Caldeira, Giulia Torres e Lucas Fernandes. Duas participantes do ProLíder 2019 também compõem a equipe: Lídia Toledo e Yasmin Marinho.Saiba mais sobre a Toti aqui.

Vesalius

2021

Saiba mais!

Você faz ideia o que seja Vesalius?Esse nome vem de uma figura importante na ciência mundial. Andreas Vesalius foi um médico belga, considerado o “pai da anatomia moderna”. Ele foi o autor da publicação De Humani Corporis Fabrica, um atlas de anatomia publicado em 1543.E O QUE ISSO TEM A VER COM O EMPREENDIMENTO?João Brainer, médico e participante do ProLíder, sentiu na pele o que é ter de aprender anatomia na faculdade. A forma de aprendizado dentro das faculdades de medicina nem sempre são fáceis e engajantes. Os estudantes de cursos das áreas de ciências biológicas e saúde estudam anatomia em livros, e as práticas são feitas em cadáveres ou bonecos, que muitas vezes não representam a realidade além de apresentarem um grande nível de desgaste, tornando o aprendizado muito distante da realidade.Hoje, oito em cada dez recém-formados em medicina não leem corretamente imagens médicas. Os custos de manutenção e substituição de peças anatômicas nas faculdades é alto, sem falar na deterioração desses materiais, que é bem grande. Além disso, os estudantes de medicina também têm um baixo nível de engajamento e aprendizado nas disciplinas relacionadas à anatomia.Por isso, João decidiu inovar e utilizar a tecnologia a favor do aprendizado. E se houvesse uma ferramenta de realidade virtual, para que os estudantes de medicina conseguissem aprender anatomia através de uma simulação condizente com a realidade?A Vesalius vem para apresentar essa nova forma de aprender anatomia. Ela é uma plataforma de anatomia virtual, focada em facilitar o aprendizado de anatomia clínica, que faz uso de utiliza realidade virtual para criar uma forma imersiva de aprendizado através de simulações. O objetivo deles é fornecer essa ferramenta para professores e estudantes dos cursos da área de saúde e ciências biológicas.Com a utilização dessa ferramenta, é possível otimizar o aprendizado de anatomia, possibilitar a livre manipulação dos órgãos e tecidos, relacionar a teoria com as práticas clínicas e explorar com profundidade o ensino sobre patologias e exames. Essa ferramenta traz, com alto nível de detalhamento, um aprendizado que é essencial para a boa formação dos profissionais de saúde.Além do benefício de ensino e formação dos profissionais, a utilização da Vesalius, pelas universidades, pode adicionalmente reduzir o custo de disciplinas essenciais aos cursos de saúde e ciências biológicas, nas Universidades públicas e privadas.A proposta da Vesalius é vender pacotes para as Universidades, com o software que, no seu Modelo Stardard, oferece a plataforma de realidade virtual com o ensino sobre a anatomia completa do sistema músculo-esquelético, sistema nervoso, sistema respiratório, sistema endócrino, sistema gástrico, sistema circulatório e 5 casos clínicos. Eles também terão a possibilidade de criar realidades diferentes, de acordo com as necessidades desenvolvidas por cada um dos clientes. Além disso, a equipe Vesalius irá fazer a recomendação de hardwares e estruturas mínimas para que a ferramenta funcione da melhor forma, que conta com um computador, uma televisão e um óculos de realidade virtual.João é médico, formado pela Universidade Federal de Pernambuco. Durante sua graduação, ele sempre se destacou, o que deu a ele a oportunidade de viajar para Oxford, na Inglaterra, e Cleveland, nos Estados Unidos, para aprender como grandes sistemas de saúde pública funcionam em outros países. João já foi premiado com o Ascona Prize, por seus trabalhos e comprometimento com humanização e inovação na medicina e já atuou com pesquisa, na FioCruz, onde também foi premiado com o mérito pela Reunião Anual de Iniciação Científica, pela sua pesquisa em saúde pública.Com esse grande currículo, e toda sua trajetória, ele espera que a Vesalius realmente seja efetivada como uma ferramenta complementar para a formação de todos os profissionais de saúde no Brasil, aumentando o nível e a qualidade das formações.

Yattó

2020

Saiba mais!

A Yattó é uma empresa de tecnologia que atua no mercado de resíduos.Ao longo da sua trajetória, a startup desenvolveu e aperfeiçoou suas soluções de modo a entregar hoje o produto de Logística Reversa Inteligente.A Residuall facilita todo o processo de logística reversa dentro de organizações: desde o fornecimento de softwares até estudos e auditorias ambientais voltadas para este segmento. Como eles fornecem soluções para todo o processo, os serviços oferecidos podem ser implementados em diferentes momentos dos sistemas de logística reversa, e também de maneira gradual, conforme o crescimento e implementação das soluções dentro das organizações.Durante o ano de 2020, a empresa consolidou o seu produto a partir dos aprendizados adquiridos na relação com grandes clientes Cargill (óleo Liza) e Suvinil (tintas imobiliárias), tornando-se referência no cenário de logística reversa no Brasil.Para o futuro, a empresa busca se consolidar no mercado como referência em logística reversa e permitir que a taxa de reciclagem dos resíduos gerados no Brasil cresça em torno de 10% nos próximos 03 anos.A Residuall nasceu em 2014, fruto de um projeto de iniciação científica. De lá pra cá ela passou por alguns programas de aceleração que contribuiram paa a sua evolução, chegando ao Programa ProLíder através do seu fundador Luiz Grilo, participante da turma de 2020.

Zeca

2021

Saiba mais!

A miséria e a subnutrição são realidade em uma grande parte do mundo. Com a pandemia, esses números aumentaram consideravelmente. O Brasil, que já esteve no Mapa da Fome da ONU, apesar de ser um dos maiores produtores agrícolas, ainda figura entre os países onde miséria e fome ainda andam juntas, assolando uma grande parcela da população, o que coloca o país no grupo dos 10 países que mais desperdiçam alimentos no mundo, segundo dados da Food and Agriculture Organization da ONU.Além disso, o aumento do preço da cesta básica em 31% (somente em 2021) e a diminuição do fluxo de pessoas nas ruas devido à pandemia aumentou o número de produtos desperdiçados em pontos de venda. Logo, é preciso repensar a forma de se criar conexões para que os produtos em excesso sejam oferecidos a pequenos negócios que precisam encontrar maneiras de reduzir seus custos.Esses dados, mais a informação de que 37 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados por ano no Brasil, dos quais 35% são de boa qualidade e poderiam ser consumidos, serviram de inspiração e estímulo para a criação da Zeca, uma startup que busca resolver esse paradoxo de desperdício, fazendo a sua parte na luta para manter o Brasil fora desse mapa da ONU. A Zeca promove a venda dos produtos com prazo de validade curto, que estão em centros industriais de distribuição, para food services. Para isso, faz uso de tecnologia para segmentá-los conforme a região, quantidade, oferta e nicho do usuário. Assim, reduzem-se as perdas do fornecedor, garantem-se os melhores preços para o comprador e evita-se o desperdício alimentar.TECNOLOGIA SIMPLES PARA RESOLVER O PROBLEMA DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOSA Zeca se baseia em um marketplace no Whatsapp. A indústria informa à empresa os produtos próximos da data de vencimento, e a startup faz a conexão do produto com o segmento e a região do cliente e envia essas oportunidades aos usuários qualificados pela plataforma. Por fim, a indústria fatura e realiza a entrega ao cliente final.A startup entrega informações personalizadas diretamente ao cliente, através da plataforma que ele mais utiliza hoje: o Whatsapp. Para resolver o problema de desperdício, Laerte (participante ProLíder 2021) não recorreu a engenhosidades e soluções miraculosas, mas buscou maneiras simples de resolver a dor de seus usuários.IMPACTO NA PONTACom a Zeca, mais de 3.244 quilos de alimentos já foram reaproveitados, o que promoveu a não emissão de mais de 8 toneladas de gás carbônico. 30 clientes diferentes já tiveram a oportunidade de comprar os produtos da startup com desconto. A empresa atua com foco na região de Florianópolis, onde a equipe reside, e pretende expandir para os mercados locais primeiro, antes de partir para todo o Brasil.O sonho da Zeca, que já começa a ser realizado, é contribuir para a redução do desperdício no Brasil. A empresa está na fase final de prospecção de investimentos, no momento, para poder tornar o seu sonho realidade e, com o time que tem, é questão de tempo até se tornar um grande player do setor no País!

O ProLíder é uma realização do Instituto Four.